Inseminação Intrauterina

Inseminação Intrauterina

A Inseminação Intrauterina começa com o processo de estimulação ovarina e, quando os óvulos estão maduros o esperma é preparado no laboratório e então inseridos e depositados diretamente no útero da paciente, próximo às tubas.

Dessa forma a distância a ser percorrida pelo espermatozoide até o óvulo se torna menor, potencializando as chances de gravidez principalmente quando comparadas à uma relação sexual normal ou programada.

A inseminação intrauterina é indicada aos casais que não obtiveram sucesso com o coito programado, mulheres com ciclos anovulatórios, infertilidade sem causa aparente (ICSA) e casos em que o parceiro apresenta leves alterações da motilidade espermática o no espermograma. A inseminação é um tratamento com maiores chances de sucesso que a relação sexual programada, mas não tão complexo como seria a fertilização in vitro.

Em média a taxa de sucesso da inseminação intrauterina esta ao redor de 15 a 20% por tentativa. Paralelamente a repetição de duas a três tentativas podem aumentar essa taxa para 40 a 45% de chances de sucesso cumulativamente.

Entretanto, não é recomendado que se façam mais que três tentativas de inseminação artificial, pois após isso as taxas de sucesso declinam consideravelmente.