Como funcionam as diferentes técnicas de reprodução assistida?

Técnicas de Reprodução Assistida

Ter um filho é o grande desejo de muitos casais. Porém, alguns podem ter dificuldades na realização desse sonho por apresentarem problemas de fertilidade que impedem a gravidez de modo natural. Felizmente, nesse momento é possível recorrer às técnicas de reprodução assistida.

A reprodução assistida engloba um conjunto de técnicas de tratamentos para a infertilidade conjugal que, em sua maioria, envolve a manipulação dos gametas (óvulo e espermatozoide) em laboratório.

Muitas vezes, os casais que procuram minha ajuda querem realizar uma técnica específica, e eu esclareço que cada uma é indicada para um perfil de paciente — portanto, a técnica varia de caso para caso.

No texto de hoje, falarei sobre as diferentes técnicas de reprodução assistida e os casos nos quais elas são indicadas. Acompanhe!

Relação sexual programada (coito programado)

Uma das técnicas mais simples de reprodução assistida, a relação sexual programada (coito programado) é recomendada para casais que estão com dificuldade para engravidar sem uma causa aparente — isto é, com exames sem alterações — e para os casos em que a mulher não apresenta ciclos menstruais regulares.

Em um primeiro momento, a mulher toma hormônios que estimulam a ovulação. Normalmente, são ministrados comprimidos de indutores de ovulação, mas em alguns casos pode ser recomendado o uso de hormônios injetáveis — denominados luteinizante, LH, e folículo-estimulante, FSH — via subcutânea nos primeiros dias da menstruação. A partir daí, são feitas ultrassonografias para acompanhar o crescimento do folículo.

Quando o folículo atinge o tamanho ideal, a mulher recebe uma dose do hormônio HCG, que estimula a ovulação em até 40 horas, período no qual indico que a paciente tenha relações sexuais com o parceiro.

Inseminação artificial

A técnica de inseminação artificial é indicada principalmente para casais em que o homem tem um padrão ou quantidade insatisfatórios de espermatozoides e para casais com infertilidade sem causa aparente.

É necessário investigar se as trompas da mulher encontram-se sem alterações, permitindo que a fertilização (encontro e união do espermatozoide com o óvulo) ocorra em uma das trompas.

As etapas da inseminação artificial são:

  • acompanhamento ultrassonográfico para rastreamento da ovulação;
  • quando pelo menos um folículo atinge um tamanho adequado, a ovulação é desencadeada com o uso de medicamentos ou pode ocorrer de maneira natural;
  • é programado o dia da inseminação artificial, no qual o sêmen do homem (obtido através da masturbação) passa por um processo de preparação em laboratório, onde são separados os espermatozoides móveis dos imóveis, obtendo-se assim os de movimentação e aspectos mais adequados;
  • esses espermatozoides são introduzidos no útero por meio de um cateter;
  • os espermatozoides precisarão percorrer o trajeto pelas trompas uterinas até encontrar o óvulo, para que ocorra a fertilização e formação do embrião;
  • este embrião formado deverá percorrer o trajeto da tuba até a cavidade uterina, para que aí ocorra a implantação embrionária (quando o embrião adere-se ao endométrio — camada que reveste o útero por dentro)

A inseminação pode ser acompanhada de indução de ovulação na mulher. Com o uso de hormônios para aumentar a taxa de sucesso.

Fertilização in vitro

Na fertilização in vitro, a fecundação do óvulo pelo espermatozoide ocorre em ambiente laboratorial controlado, fora do corpo da paciente.

Essa técnica é indicada nos casos de problemas nas tubas uterinas. Fator masculino de infertilidade grave e quando as outras técnicas mais simples não tiveram sucesso. Principalmente em mulheres acima de 35 anos.

As etapas da fertilização são:

  • indução da ovulação na mulher com o uso de hormônios;
  • aspiração do óvulo quando atinge o tamanho ideal por meio de agulha, através de uma ultrassonografia transvaginal;
  • coleta e preparação seminal;
  • fertilização do óvulo pelo espermatozoide em placa no laboratório (FIV convencional) ou injeção do espermatozoide diretamente dentro do óvulo (ICSI);
  • introdução do óvulo já fecundado (embrião) no útero da mulher.

Nos casos com taxa muito baixa de espermatozoides funcionais, realizo também a fertilização in vitro com injeção do espermatozoide dentro do óvulo.

Doação de gametas

Existem situações nas quais os gametas (óvulo e espermatozoide) do casal estão ausentes ou com problemas mais sérios de funcionalidade. Esse problema pode ser resolvido com a doação de óvulos ou espermatozoides.

Na doação de óvulo, é feita a fertilização in vitro e o óvulo já fecundado da doadora é introduzido no útero da futura mãe. Na doação de espermatozoide, podemos realizar a inseminação artificial ou a fecundação in vitro.

As técnicas de reprodução assistida ajudam casais pelo mundo todo a engravidar e realizar seus sonhos. Procuro ajudar esses casais com os serviços de medicina reprodutiva.

Gostou de saber mais sobre reprodução assistida? Então aproveite para me seguir nas redes sociais e acompanhar todas as atualizações! Estou no Facebook e no Instagram.

 

Especialista em reprodução humana, habilitado e capacitado para atender casais com infertilidade, faz parte das mais importantes sociedades relacionadas a área de Reprodução Assistida como a American Society for Reproductive Medicine, European Society of Human Reproduction and Embriology, Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida e Sociedade Brasileira de Urologia.

Deixe seu comentário

Postagens Relacionadas

See all posts